Sociedade civil apresenta questões prioritárias à ONU Mulheres para promover igualdade de gênero no Brasil

27/06/2017 - 12:00 -
Print Friendly, PDF & Email
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Nesse mês, a ONU Mulheres Brasil se reuniu com o Grupo Assessor da Sociedade Civil (GASC), em Brasília, para promover a integração entre a sua antiga composição e as novas integrantes recém-empossadas pelo edital de 2017. O encontro aconteceu nos dias 8 e 9 de junho. No evento, assessoras defenderam prioridades nas políticas para o empoderamento feminino.

(ONU Brasil, 27/06/2017 – acesse no site de origem)

A representante nacional da agência das Nações Unidas, Nadine Gasman, apresentou um plano de trabalho para promover a igualdade de gênero no país. A dirigente destacou as parcerias com o governo brasileiro, o setor privado e a sociedade civil, além de lembrar que instâncias globais — como a Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres (CSW) — são espaços importantes para as negociações sobre direitos das mulheres em âmbito nacional e internacional.

Já as integrantes do GASC apresentaram uma análise dos direitos das mulheres no contexto brasileiro e fizeram sugestões para o trabalho da ONU Mulheres. Recomendações abordavam sobretudo a situação de mulheres negras, indígenas e trabalhadoras domésticas. Indicações também contemplavam temas como a educação com perspectiva de gênero, a prevenção e eliminação da violência contra as mulheres e a promoção da autonomia econômica.

Diálogo incluiu ainda questões sobre os direitos das mulheres lésbicas, bissexuais e trans e das trabalhadoras sexuais. Ao longo da reunião, as assessoras da sociedade civil elencaram como áreas de preocupação as institucionalidades governamentais sobre mulheres, igualdade racial, juventude, saúde, trabalho e emprego.

Participação social

Os Grupos Assessores da Sociedade Civil da ONU Mulheres são espaços estabelecidos a nível global, regional e nacional com o propósito de facilitar consultas efetivas e contínuas entre a sociedade civil e a agência das Nações Unidas. O organismo internacional explica que essas instâncias têm por objetivo enriquecer o desenvolvimento de políticas a partir das perspectivas trazidas pelos integrantes das comunidades onde a ONU atua.