Brasil precisa avançar na participação de mulheres na política, diz deputada

03/04/2017 - 14:23 -
Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

A Câmara dos Deputados sedia, até quarta-feira, a Conferência da Rede de Mulheres Parlamentares da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

A presidente da Rede de Mulheres da Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), deputada Rosangela Gomes (PRB-RJ), afirmou nesta segunda-feira (3) que o Brasil precisa avançar muito na representatividade das mulheres na política.

(Câmara dos Deputados, 03/04/2017 – acesse no site de origem)

“Nós vivemos em um Estado democrático de direito, mas não existe democracia aonde os homens são fortes e as mulheres são enfraquecidas. Nós temos um parlamento que é 90% masculino e 10% feminino. A gente está muito atrasado no que tange ter participação feminina no Parlamento”, disse a deputada.

Leia mais: Rede de Mulheres Parlamentares discute discriminação no mercado de trabalho (Câmara dos Deputados, 04/04/2017)

A declaração foi feita na abertura da Conferência da Rede de Mulheres Parlamentares da CPLP, que ocorre na Câmara dos Deputados, em Brasília, até quarta-feira (5).

Redução da desigualdade
O secretário de Comunicação da Câmara, deputado Márcio Marinho (PRB-BA), afirmou que a conferência deve resultar em propostas de legislação capazes de reduzir as desigualdades entre os sexos.

“A partir dessa conferência, será retirado um documento que, certamente, irá virar propostas que depois virarão leis tanto no Brasil como nos países que estão aqui participando dessa conferência. É evidente que essas propostas passarão pela cota de mulheres nos parlamentos. Nós temos vários países que já estão na frente do Brasil, infelizmente, na questão de cotas no parlamento”, disse o deputado.

A deputada de Cabo Verde Dalia Benholiel declarou que, entre 2001 e 2016, o número de mulheres no Poder Legislativo daquele país aumentou de 21% para 23,6%. Para ampliar esse percentual, ela informou que está sendo feito um trabalho principalmente junto às mulheres mais novas para que elas ocupem cada vez mais espaço na política.

Debates
Até quarta-feira, a conferência debaterá temas relacionados às mulheres e que são comuns em todo o mundo, como a desigualdade de gênero, o empreendedorismo feminino e a representação das mulheres nos parlamentos.

A Assembleia da CPLP, instituída em 2007, reúne as representações dos parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste.

Reportagem – Karla Alessandra
Edição – Pierre Triboli