CNJ decide investigar e afastar juiz Marcos Scalercio por acusação de assédio sexual contra mulheres em SP

Foto: Letícia Sabbatini/Mídia Ninja

06 de setembro, 2022 Por g1

Conselho Nacional de Justiça em Brasília votou nesta terça (6) pela abertura do Procedimento Administrativo Disciplinar contra magistrado. Integrantes também decidiram que ele tem de ser afastado preventivamente do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo. Juiz nega os crimes.

(Kleber Tomaz e Fernanda Vivas/ g1) O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em Brasília, se reuniu nesta terça-feira (6) e decidiu abrir um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para investigar o juiz substituto Marcos Scalercio por assédio sexual contra ao menos três mulheres em São Paulo.

Por unanimidade, todos os 14 integrantes do órgão que puderam votar – uma delas foi impedida – optaram pelo afastamento preventivo do magistrado enquanto durarem as apurações.

Os casos foram revelados em agosto deste ano pelo g1. Em 2021, eles chegaram a ser arquivados por duas vezes pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), em São Paulo. Naquela ocasião, a corregedoria do órgão paulista alegou que não havia provas de que Scalercio havia cometido crimes sexuais. E por isso o PAD não foi aberto contra o juiz.

À época, uma aluna do cursinho Damásio Educacional, onde Scalercio dava aulas, uma advogada e uma funcionária da Justiça do Trabalho o acusavam pelos assédios. Elas tinham dito que o professor e juiz as abordou, respectivamente, numa cafeteria próxima ao curso, nas redes sociais e dentro do gabinete dele no Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, na Barra Funda, Zona Oeste da capital paulista.

Nossas Pesquisas de Opinião

Nossas Pesquisas de opinião

Ver todas
Veja mais pesquisas