Igrejas silenciam vítimas de violência doméstica, dizem evangélicas

259
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

Interpretação bíblica de submissão da mulher dificulta denúncias, argumentam livros recém-lançados

(Folha de São Paulo | 18/07/2021 | Por Anna Virginia Balloussier)

SÃO PAULO

“Ei, mulher! O que está acontecendo?? Esse tempo de dor vai passar… Você não está sozinha. A violência e a opressão não vão te paralisar. Deus está cuidando de você!”

Assim que disparou a mensagem em suas redes sociais, a cantora gospel Quesia Freitas, 36, começou a colher histórias de evangélicas que, como ela, foram alvo de violência doméstica, crime que afeta mulheres de todas as idades, religiões e classes.

Há, contudo, particularidades na experiência cristã que, muitas vezes, viram fonte de silenciamento.

Primeiro, há machismo embutido no discurso de alguns pastores que pregam a submissão feminina, baseados em versículos bíblicos como este do Novo Testamento: “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor, porque o marido é a cabeça da mulher”.

Mulheres de fé também relatam mais dificuldade de quebrar o ciclo de agressões por aprenderem em suas igrejas que uma oração bem feita é melhor do que um boletim de ocorrência registrado.

O caso de Quesia extrapolou as paredes do templo quando, em novembro de 2020, viralizaram imagens do então marido a arrastando num shopping carioca. Reincidente, ele tinha por hábito dar tapas nela, puxar seu cabelo e até ameaçá-la de morte, segundo a cantora.

Acesse a matéria completa no site de origem

Compartilhar: