Sistema de Justiça pelo olhar das mulheres negras é apresentado em Congresso Internacional – Dia 25/07 às 12h

291
0
Compartilhar:
image_pdfPDF
O I Congresso Internacional de Juristas Negras é promovido pelos coletivos Abayomi Juristas Negras e o Selo Juristas Negras no dia 25 de julho, às 12h. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas aqui. O evento online é elaborado com base na Orixá da Justiça, a mulher negra empunha uma espada para abrir caminhos rumo à igualdade na diferença e, consequentemente, na própria realização da Justiça.
A programação do  I Congresso Internacional de Juristas Negras, na qual haverá xirês, encontros e conexões, se colocando assim  como um contraponto político-jurídico aos paradigmas epistemológicos andro e brancocêntricos, apresentará:
Xirê 1: Reverenciando as que vieram antes – entrega da medalha Esperança Garcia;
Xirê 2: O que estamos fazendo hoje – lançamento da Coleção Juristas Negras;
Xirê 3: O porvir – Afrofuturismo e novas possibilidades de ação.
A Abayomi Juristas Negras é uma coletiva de afroempreendedorismo social cuja missão é combater estrategicamente o racismo estrutural, oferecendo capacitação, aperfeiçoamento, empoderamento e treinamento de alta qualidade a baixo custo, de forma a criar condições efetivas de inclusão da população negra em espaços de poder e saber, com foco na ocupação de cargos nos órgãos que compõem o Sistema de Justiça Brasileiro.

O Selo Juristas Negras busca através de suas integrantes e a partir da encruzilhada identitária que intersecciona gênero e raça no Sistema de Justiça Brasileiro, construir e disseminar contra-narrativas para o enfrentamento do epistemicídio jurídico e para a ampliação  dos horizontes sobre Direito e Justiça, numa perspectiva crítica.

Participam do Congresso, ainda, a Comissão de Igualdade Racial da OAB/PE, que tem sido pioneira na luta pela igualdade de gênero e raça no âmbito do Sistema de Justiça Brasileiro, e a Enquanto Isso em Wakanda, primeira prévia carnavalesca afrocentrada de Recife e que une afroempreendedorismo e afrofuturismo.

 

Compartilhar: