Ohio ordena que clínicas de aborto parem ‘abortos não essenciais’ por causa do coronavírus

235
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

O escritório da Procuradoria Geral de Ohio ordenou que as clínicas de aborto no estado parassem de realizar abortos e cirurgias “não essenciais” em meio à pandemia de coronavírus, segundo cartas enviadas pelo escritório da AG.

(Diário carioca, 22/03/2020 – acesse no site de origem)

“O pedido foi emitido, em parte, para preservar os EPI equipamentos de proteção) para os prestadores de serviços de saúde que estão combatendo a pandemia de Covid-19 que está se espalhando em nosso estado e também para preservar a capacidade e os recursos críticos do hospital “, dizem as cartas, que foram revisadas pela CNN. Os abortos cirúrgicos, segundo as cartas, “envolvem o uso de EPI.” a partir de 18 de março, todas as cirurgias e procedimentos não essenciais ou eletivos “não devem ser realizados”.

“Isso não é um problema de aborto”, disse à CNN Bethany McCorkle, porta-voz do Gabinete do Procurador Geral de Ohio. “Uma carta também foi enviada a um grupo de urologia que supostamente estava realizando cirurgias eletivas. Como nossa cliente, se o escritório da Dra. Acton determinar que seu pedido foi violado por qualquer instalação cirúrgica em Ohio, eles podem encaminhá-la ao nosso escritório para buscar ações legais. em nome do Departamento de Saúde de Ohio.

“Por sua ordem, Acton definiu uma cirurgia não essencial como” qualquer procedimento que possa ser adiado sem risco indevido para a saúde atual ou futura de um paciente.

“Principais autoridades de saúde em todo o país dizem que não há equipamentos médicos de proteção estocados em número suficiente, como máscaras, aventais e luvas, para atender à necessidade antecipada do sistema de saúde do país ao lidar com o coronavírus. Para economizar equipamentos e espaço hospitalar, a Casa Branca recomendou o cancelamento de cirurgias eletivas não essenciais, como cataratas e colonoscopias.

Ohio emitiu um pedido estadual de “fique em casa” no domingo para tentar impedir o coronavírus de infectar e matar mais pessoas, Ohio Gov. Mike DeWine disse. DeWine, um republicano, foi um dos primeiros governadores do país a interromper agressivamente a atividade para conter a propagação do vírus.

Há 247 casos confirmados de coronavírus em Ohio e três pessoas morreram com o vírus, segundo o último relatório da CNN.

No Washington Post, as cartas foram enviadas apenas para instalações que foram objeto de reclamações para os departamentos de saúde, segundo McCorkle.

Essas clínicas incluem a Planned Parenthood Southwest em Cincinnati, o Women’s Med Center em Dayton e o Preterm em Cleveland. A CNN entrou em contato com as três clínicas para comentar.

A Paternidade Planejada

A Região Sudoeste de Ohio disse em comunicado que está cumprindo a ordem com relação aos equipamentos de proteção individual.

“A principal prioridade da Paternidade Planejada é garantir que todas as pessoas possam continuar acessando cuidados de saúde essenciais, incluindo aborto “, afirmou a organização em comunicado. “Sob essa ordem, a Planned Parenthood ainda pode continuar fornecendo procedimentos essenciais, incluindo o aborto cirúrgico, e nossos centros de saúde continuam a prestar serviços dos quais nossos pacientes dependem”.

A NARAL Pro-Choice Ohio, uma organização sem fins lucrativos que apóia o aborto legal, disse que “o atendimento ao aborto é uma situação médica sensível ao tempo que não pode ser significativamente adiada sem consequências profundas.”

“Os Ohioans continuam a contar com seus provedores de aborto comunitários confiáveis ​​durante esta crise, e as autoridades eleitas de Ohio não devem ficar entre pacientes e seus médicos”, o grupo disse. “O aborto é um serviço de saúde essencial. O procurador-geral Dave Yost e o presidente do Direito à Vida de Ohio e o membro do Conselho Estadual de Medicina Mike Gonidakis não devem explorar a crise do Covid-19 para promover sua agenda de fechamento das clínicas de aborto de Ohio”.

No sábado, Acton disse que a ordem não era uma decisão política. “Sou médica de 11,7 milhões de pessoas e de todas as mulheres, não importa onde caiam nisso”, disse ela. “E acho que é muito importante que não possamos permitir que a política das coisas atrapalhe o que temos que fazer em um estado de emergência.”

Sarah Jorgensen e Eric Levenson, da CNN, contribuíram para este relatório.

Fonte: CNN

Compartilhar: