Gravidez e zika vírus: com medo e pouca informação, 90% das mulheres querem mais exames

Compartilhar:
image_pdfPDF

(M de Mulher, 02/08/2016) Uma pesquisa inédita, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão em parceria com o Data Popular e apoio da ONU Mulheres e da Fundação Ford, ouviu 3.758 mulheres para traçar um panorama entre gravidez e zika vírus. O objetivo era mapear o grau de conhecimento em relação à doença, bem como traçar os hábitos de prevenção e os sentimentos relacionados a esse momento.

O extenso resultado demonstrou a preocupação das gestantes e a insatisfação com a falta de acesso aos exames básicos e orientações sobre prevenção, contágio e futuro de um bebê contagiado pelo vírus. Abaixo, você confere o que destacamos do estudo:

Má informação

Apesar de mais da metade das entrevistadas citarem os médicos como melhor meio de confirmar informações durante a gravidez, os profissionais de saúdenão conseguem subsidiar o conhecimento necessário para que essas mulheres se sintam seguras.

As gestantes relatam que não receberam orientações ou ações específicas sobre o zika e os riscos durante a gravidez. Para elas, as informações são desencontradas e contraditórias, o que só gera mais confusão e angústia. Talvez por isso, apenas 27% das grávidas disseram saber muito sobre o zika, quando foram questionadas sobre o quanto conhecem da doença. E ainda 46% das mulheres com menor escolaridade sabem pouco, nada ou quase nada sobre a doença.

Esse fato é comprovado na pesquisa. Quando questionadas “Até quantos meses de gravidez existe risco de sequelas para o bebê caso a mãe tenha zika?”, 32% das entrevistadas responderam que é até o fim do primeiro trimestre. Entretanto, a Fiocruz já identificou más-formações, como a microcefalia, em filhos de mulheres contaminadas pelo vírus entre a 5ª e a 38ª semana de gestação. Além disso, 21% ainda associam o problema a vacinas e 45% citam outros fatores como causa dos problemas decorrentes da zika.

SUS e rede privada

A insegurança é ainda maior no SUS. 70% das mulheres que fazem o acompanhamento gratuito gostariam de ter feito mais exames de ultrassom. O número é muito superior em relação às pacientes que se tratam no sistema particular (43%). O protocolo técnico do Sistema Único de Saúde prevê apenas um ultrassom obstétrico com doppler – já os demais exames ficam à critério do médico, que poderá solicitá-los ou não.

A principal demanda, entretanto, refere-se ao teste de sorologia. A pesquisa aponta que 90% das grávidas gostariam de fazer o teste de detecção de zika se tivessem acesso.

Elas também relatam a demora nos exames e das deficiências do acolhimento prestado nos hospitais públicos: o atendimento é rápido demais, por isso, recebem pouca atenção e não se nota preocupação em informá-las, tranquilizá-las ou confortá-las.

Acesse no site de origem: Gravidez e zika vírus: com medo e pouca informação, 90% das mulheres querem mais exames (M de Mulher, 02/08/2016)

Compartilhar: