Presidenta Dilma lançou o 5º Relatório dos ODM

991
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(IPEA, 23/06/2014) A presidenta Dilma Rousseff compareceu à Arena da Participação Social, em Brasília, nesta sexta-feira (23), para lançar a Política Nacional de Participação Social e a 5ª edição do Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, elaborado pelo Ipea e pela Secretaria de Planejamento e Investimento Estratégico do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Em seu discurso no Centro Internacional de Convenções do Brasil, Dilma elogiou as iniciativas contempladas no Prêmio ODM Brasil, cuja coordenação técnica é de responsabilidade do Ipea e da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). “Temos bons resultados (nos ODM). Uma parte deve-se ao fato de que também criamos o prêmio e ele funciona como uma forma não só de visibilidade, mas também de exemplo de como é que se pode atuar e ser generoso, solidário. Cumprimento os ganhadores”.

Em seguida, a presidenta comentou o desempenho brasileiro em relação aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. “O primeiro objetivo é o combate à fome e à pobreza. Nesse, o Brasil mostrou uma grande mudança. Reduzimos, de fato, a desigualdade (…). A diferença é que a renda dos mais ricos cresceu, mas cresceu muito menos que a dos mais pobres. Com isso, é como se fosse uma onda – como diz o Marcelo Neri – que vai empurrando todo mundo, de baixo para cima, e pega primeiro os eternamente excluídos da riqueza deste país”, explicou Dilma.

A presidenta destacou a importância dos avanços na meta de educação para que o Brasil atinja um patamar de redução perene das desigualdades. E ressaltou a necessidade de maior evolução na meta de saneamento e universalização do tratamento de esgoto.

Estabelecidos em 2000 pela Organização das Nações Unidas (ONU), com o apoio de 191 países, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio são: 1) acabar com a fome e a miséria; 2) oferecer educação básica de qualidade para todos; 3) promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres; 4) reduzir a mortalidade infantil; 5) melhorar a saúde das gestantes; 6) combater a Aids, a malária e outras doenças; 7) garantir qualidade de vida e respeito ao meio ambiente; e 8) estabelecer parcerias para o desenvolvimento.

 

 

 

Compartilhar: