Voluntárias de todo o país se unem para mandar cartas a mulheres vítimas de abuso

1073
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(G1, 07/10/2015) Mensagens de apoio e ilustrações são feitas por voluntárias de todo o país. Ação faz parte de projeto de envio de recados positivos entre mulheres.

Voluntárias de todo o país se uniram pela internet para enviar cartas com mensagens de apoio para mulheres vítimas de abusos. As primeiras mensagens foram escritas para a jornalista de Brasília Cristiane Damacena, alvo de um ataque racista nas redes sociais em maio deste ano

Os recados e ilustrações foram compilados em um livro, que foi entregue pessoalmente à Cristiane. Agora, Daniela Duarte, criadora do projeto, reúne mensagens para Gisele Santos de Oliveira, do Rio Grande do Sul, que teve as mãos decepadas pelo ex-companheiro. A ação faz parte de um projeto de envio de cartas entre mulheres chamado “Eu Vejo Flores em Você”.

Daniela Paiva, Cristiane Damascena, com o livro, e Daniela Duarte (Foto: Daniela Duarte/Arquivo pessoal)

Daniela Paiva, Cristiane Damacena, com o livro, e Daniela Duarte (Foto: Daniela Duarte/Arquivo pessoal)

Daniela diz que a ideia de enviar os recados positivos surgiu da impotência que sentiu diante das ofensas feitas a Cristiane, que foi chamada de “macaca” e “escrava” nas redes sociais. “Do nada, um monte de gente entrou na foto de perfil dela e começou aquela coisa absurda. Acho que algum grupo deve ter combinado as agressões”, diz.

“Minha mãe chegou em casa um dia e disse que soube, por uma colega de trabalho, que a Cristiane chorou muito. Foi então que pensei que tinha que fazer alguma coisa.”

A estudante, então, abriu um formulário na internet para receber mensagens de apoio para serem transmitidas para Cristiane. Foram mais de cem recados em um dia. Ela juntou todas as mensagens, imprimiu, encadernou e levou até o trabalho da jornalista. “Ela ficou muito feliz”, diz.

Ilustração de livro feito para Cristiane Damacena, vítima de racismo nas redes sociais (Foto: Reprodução/G1)

Ilustração de livro feito para Cristiane Damacena, vítima de racismo nas redes sociais (Foto: Reprodução)

Embora tenha recebido mensagens de pessoas de ambos os sexos, Daniela acredita haver uma força interior que apenas as mulheres sabem transmitir umas às outras. “Claro que conversar com um homem ajuda, mas ele não vai ter a mesma dimensão do que é que [a mulher] está passando porque existe uma série de violências que são específicas das mulheres. O estupro, a violência doméstica, têm dimensões diferentes por causa de gênero. São coisas que acontecem de formas diferentes, em níveis diferentes, e têm significados diferentes por causa do gênero”, diz.

“É um processo de cura muito intenso, que você vê que só a união entre as mulheres é capaz de fazer, porque ter uma outra mulher te apoiando faz muita diferença.”

‘Vejo flores em você’
As mensagens de apoio são uma vertente do projeto de Daniela de envio de cartas, pelo correio, entre mulheres. A ideia inicial surgiu a partir de uma mensagem enviada a uma amiga durante um momento de “crise”. Para a carta, ela usou uma ilustração, datilografou uma mensagem carinhosa e enviou para a amiga, que passava por dificuldades.

“Vi que teve muito efeito para aquele momento dela, que ela estava realmente precisando de apoio”, diz. “Vi que fez muita diferença. Nessa hora, o projeto apareceu na minha cabeça, inteiro, de uma vez.”

Daniela então uniu uma rede de ilustradoras de todo o Brasil, que trabalham voluntariamente para colocar em desenhos as cartas com mensagens positivas de mulheres para outras mulheres. “A remetente manda a carta para a gente pelo site. A ilustradora lê a carta, vê as referências e, com base no texto, faz o desenho. Aí , anexamos a ilustração à carta e mandamos por correio sem custo para essas mulheres. A maior parte das cartas é de filha para mãe.”

Para a estudante, não é só quem recebe as cartas que se beneficia da ação. “É muito doida a energia que tem dentro do projeto. As meninas tiram muita força disso, se sentem muito bem por participarem dele”, diz. “As ilustradoras estão tendo um ganho muito grande. Elas todas chegam em mim e falam: ‘Dani, como ilustradora, isso está me fazendo muito bem. Leio essas palavras que as mulheres escrevem para outras mulheres, e estar nesse grupo faz com que eu me sinta muito acolhida.”

Jovem teve mãos decepadas pelo companheiro no RS (Foto: Diego Vara/Agência RBS)

Jovem teve mãos decepadas pelo companheiro no RS (Foto: Diego Vara/Agência RBS)

“O objetivo das pessoas é realmente ficarem mais próximas”, diz. “Existem muitos ambientes em que mulheres são condicionadas a isso [serem inimigas], e isso vira uma coisa bem pesada, de rivalidade. Elas acabam vendo uma a outra como competidoras ou inimigas, e aí tem um sentimento de desconfiança muito grande.”

No início do projeto, Daniela conta que fazia tudo sozinha: recebia a ilustração, datilograva o texto, imprimia, mandava pelo correio. O projeto cresceu, está sendo “desmembrado” e conseguiu patrocínio de uma laboratório de análises clínicas, que arca com os custos com papelaria e envio.

Segundo a estudante, algumas participantes do projeto que vivem no Sul do país já estão se organizando para entregar a carta para Gisele. As voluntárias também se mobilizaram para ajudar na divulgação da “vaquinha” feita pela família para comprar próteses para a jovem, e, de acordo com a Daniela, a meta já foi atingida.

“Só quero mostrar para ela que existem várias pessoas que estão do lado dela. Ela não está sozinha e não existe só coisas horríveis no mundo, existe gente boa com muita vontade de dar e receber amor”, diz.

“Ela teve contato com um lado do ser humano que eu não conheço, mas que sei que deve ter deixado ela hipertraumatizada. Só quero que ela saiba que existe amor também. Especialmente vindo de mulheres. Muitas entendem pelo menos um pouco da dor dela, muitas passaram por relacionamentos abusivos também”, declarou.

Isabella Formiga

Acesse no site de origem: Voluntárias de todo o país se unem para mandar cartas a mulheres vítimas de abuso (G1, 07/10/2015)

Compartilhar: