Com álbum de figurinhas, artista espanhol denuncia exploração sexual nas ruas de Buenos Aires

870
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

(Opera Mundi, 28/09/2015) ‘À primeira vista, você pode confundir esse material com arte urbana. Mas pesquisa um pouco e descobre que se trata de tráfico de mulheres e está enraizado na cidade desde a sua formação’, diz Julio Falagán

Os álbuns de figurinhas são o pesadelo de qualquer pai. Começar uma coleção envolve a obrigação de comprar envelopes de figurinhas a preços exorbitantes, descobrir que apenas contêm cinco ou seis figurinhas, sofrer por que a metade sai repetida, mudar os repetidos pelos novos e, quando você está a ponto de completar o álbum, o tema fica fora de moda, retiram das bancas as que sobram, e é impossível completar o álbum. Consciente das ansiedades dos pais, o artista Julio Falagán criou uma coleção que, além de acabar com essas dores de cabeça, chamava a atenção sobre um escabroso tema: o tráfico de mulheres e sua aceitação na sociedade.

Leia mais: Repórter da BBC é assediada enquanto gravava reportagem sobre assédio (BBC Brasil, 30/09/2015)

Álbum e figurinhas (Foto: Julio Falargán)

Tudo começou em Buenos Aires, cidade onde Falagán se encontrava para desenvolver o projeto de pesquisa sobre a cultura popular do país com uma bolsa de estudos do Ranchito de Matadero Madri y Panal 361.

“Foi só chegar e passear pelo centro para dar de cara com esses folhetos colados pelas ruas, em outdoors, semáforos, containers de lixo, lixeiras ou nos pontos de ônibus. É algo imperceptível para o buenairense, porém para um turista que busca a estética da cidade, isso explode nos seus olhos”, explica.

O álbum (Foto: Julio Falargán)

“À primeira vista, você pode confundir esse material com arte urbana, porém quando você se aproxima e lê um folheto, você percebe que tudo é muito mais obscuro. Depois pesquisa um pouco o motivo de tudo isso e descobre que se trata de tráfico de mulheres e está enraizado na cidade desde a sua formação, com o monopólio de diferentes máfias judaica do Oeste da Rússia e Europa Oriental, como a ZwiMigDal”, afirma o fotógrafo.

Não levou muito tempo para que Falagán começasse a recompilar esses folhetos que graficamente se encontram entre arte de ruptura e a arte bruta e cujos textos discorrem entre o engenhoso jogo de palavras e a obscenidade mais embaraçosa.

Figurinhas (Foto: Julio Falargán)

“Eu fiz sem saber muito bem o por quê, porém um belo dia surgiu o ‘Minas de Buenos Aires’ como método para colocar o problema em cima da mesa, um problema do qual ninguém quer saber nada”, indica.

Mina equivale em lunfardo, a gíria portenha, a “mulher”, porque elas são uma fonte de riqueza para os cafetões e proxenetas, na mesma gíria. Uma realidade que está mais arraigada do que parece na cultura argentina, como acabou descobrindo Falagán.

“Há inúmeros tangos que fazem referência a este problema. Eu gosto muito de ‘Escravas brancas’ de Horacio Pettorossi, que era cantada por Gardel. Além disso, há toda uma estrutura dedicada a colocar essa publicidade e inclusive outra dedicada a limpá-la, o que de novo nos leva ao paralelismo com o mundo do grafite”, relata o artista.

“Para colocá-lo, usa-se uma cola escolar em bastão muito comum em Buenos Aires que se chama ‘boli goma’. Marca-se uma linha com a cola bastão na superfície e são colocados um seguido dos outros em fila. Para contra-atacar, há grupos de mulheres na vizinhança que fazem batidas voluntárias para limpar o bairro. Inclusive eu fiz uma tentativa de replicar a experiência e coloquei folhetos com um código gráfico semelhante, ainda que aparecesse neles o endereço do meu estúdio e o telefone do escritório da minha residência. Não tenho nenhum registro de que alguém tenha me telefonado alguma vez. A arte não interessa tanto”, conta Falagán.

De um tempo pra cá, nas ruas de cidades como Madri e Barcelona, esses folhetos começaram a ser vistos, embora de forma mais embrionária e discreta, com estratégias semelhantes às portenhas na hora de promover serviços de prostituição. Um fato que, somado à intervenção do FMI [Fundo Monetário Internacional] na economia europeia, o corralito grego e a ascensão de partidos qualificados como populistas parece indicar uma “latino-americanização” do continente.

“Ao voltar de Buenos Aires, percebi justamente isso. Os limpadores de para-brisas dos carros estavam cheios de folhetos semelhantes. Além disso, a maior parte das pessoas promovidas eram mulheres latinas. É como se a técnica tivesse sido exportada. Também há muitas orientais, mas os folhetos são mais sofisticados com melhor qualidade, em quatro cores, e, novamente, vê-se onde existe mais possibilidade de exploração pelo tipo de publicidade. Aqui também estou recompilando este tipo de propaganda, porém não tem nada que ver com a presença que há em Buenos Aires, nem a organização, nem nada. Isso é algo que, por outro lado, me deixa contente”.

Álbum

O álbum “Minas de Buenos Aires” está organizado por bairros, detalhe que, além de ser uma ferramenta para conhecer aqueles lugares típicos que não aparecem no Guia Trotamundos e Trip Advisor, também permite realizar um estúdo sociológico da cidade. Pode aquisitivo, preferências sexuais, tabus… e, como acontece em todas as coleções, há também figurinhas impossíveis de conseguir que falam muito sobre a idiossincrasia da cidade e de seus habitantes. Por exemplo, a figurinha de serviços sexuais oferecidos por homens para homens.

Álbum de figurinhas (Foto: Julio Falargán)

“Você pode saber perfeitamente em que bairro ou rua está simplesmente vendo este tipo de publicidade. Cada negócio é vendido unicamente nas proximidades do local, e há uma espécie de lei de respeito mútuo por onde os folhetos são distribuídos nas ruas”, conta Falagán. “Existe tanta oferta que é preciso regulamentar para que não haja problemas. No entanto, e apesar de toda essa variedade, em todo o tempo que estive lá não vi nenhum folheto que promovesse homens. Sim eu vi algum que vendia serviços de lésbicas, porém eram lésbicas para homens. A mulher e os gays não eram um público objetivo, porém havia uma estranha fixação pelo mundo do tênis como propaganda sexy. Com imagens na minha cabeça de Arantxa Sánchez Vicario, eu não entendia muito bem esse desvio sexual”, complementa.

O mercado de arte não foi nada receptivo com “Minas de Buenos Aires”. Depois de apresentá-lo na exposição Pasen y vean, em Panal 361, as livrarias especializadas se recusaram a vender o álbum porque diziam que era um material que causava constrangimento. Recusavam dessa forma ativar o que tal vez sejam as facetas mais interessantes de toda ação artística: o debate e a crítica de realidades sociais com as quais convivemos e que são difíceis de abordar a partir de outras frentes.

Tradução: Mari-Jô Zilveti

Texto publicado originalmente pelo site Yorokobu com o título Una colección de cromos para denunciar la explotación sexual

Eduardo Bravo

Acesse no site de origem: Com álbum de figurinhas, artista espanhol denuncia exploração sexual nas ruas de Buenos Aires (Opera Mundi, 28/09/2015)

Compartilhar: