‘Comunicação é essencial no combate à violência contra a mulher’, diz jornalista

Compartilhar:
image_pdfPDF

Após três anos de apuração do caso João de Deus, Cristina Fibe fala de procedimentos para garantir tratamento adequado a sobreviventes de abuso sexual e de novo livro sobre o médium

(Revista Marie Claire | 23/10/2021 / Por Manuela Azenha)

Uma das primeiras jornalistas a investigar o caso de João Teixeira de Faria, mais conhecido como João de DeusCristina Fibe lança neste mês o livro-reportagem investigativo “João de Deus — O Abuso da Fé”, pela editora Globo Livros. Foram ao todo três anos de apuração, desde a primeira denúncia de violência sexual publicada no jornal O Globo, em dezembro de 2018, dias antes de o célebre guru ser preso, até finalizar o livro.

Cristina teve contato com o caso por meio de um post que uma mulher holandesa publicou no Facebook em setembro de 2018. Era o relato da violência que havia sofrido na Casa Dom Inácio de Loyola, espaço onde João de Deus atendia, em Abadiânia, Goiás.

Pelos diversos comentários feitos na publicação, a jornalista, então editora d’O Globo, desconfiou que não se tratava de um caso isolado e pautou a repórter investigativa Helena Borges para ir atrás da história.

“De um lado, a investigação em si é complexa, envolve fatos que ficaram escondidos por anos ou décadas. De outro, há os relatos de abuso sexual, que não são fáceis de conduzir nem de escrever.”

Cristina Fibe

Acesse a matéria no completa no site de origem

Compartilhar: