Metade dos brasileiros conhece ao menos uma mulher que sofre violência doméstica; denunciar à polícia ou terminar a relação são os principais conselhos à vítima

17 de novembro, 2022

A violência doméstica praticada contra mulheres é uma realidade que está muito próxima das vivências da população brasileira. Entre as mulheres, são 60% as que conhecem ao menos uma vítima e 36% declararam já terem elas próprias sofrido alguma forma de violência doméstica, sendo a violência psicológica e a violência física as formas mais relatadas; uma em cada dez declara ter sofrido violência sexual. A principal reação da maioria dessas mulheres foi terminar o relacionamento.

É o que mostra a pesquisa Redes de apoio e saídas institucionais para mulheres em situação de violência doméstica no Brasil, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e Ipec, com apoio do Instituto Beja, que aponta também que uma ampla maioria dos brasileiros considera que as pessoas devem dar apoio/denunciar ao perceberem que uma mulher está sofrendo violência.

Apoio da família e de amigos é considerado por 58% como o principal fator para que essas mulheres saiam da relação violenta. Parcela significativa menciona ainda o apoio do Estado, seja da polícia ou justiça para se protegerem do agressor (53%), ou de assistência social e psicológica (48%).

Acesse na íntegra o relatório da pesquisa Redes de apoio e saídas institucionais para mulheres em situação de violência doméstica no Brasil (Instituto Patrícia Galvão/Ipec realizada com apoio do Instituto Beja, novembro/2022).

População reconhece importância das políticas públicas e aprova ampliação dos serviços especializados e qualificação do atendimento às mulheres

Para 90% dos entrevistados, se houvesse apoio do Estado, as mulheres em situação de violência doméstica se sentiriam mais seguras para denunciar e sair da relação violenta e, para 85%, os homens que praticam violência doméstica sabem que isso é um crime, mas acreditam que não serão punidos.

A pesquisa revela também uma ampla aprovação sobre diversas medidas para melhorar o atendimento às mulheres em situação de violência doméstica:

Na percepção da maioria absoluta da população, é preciso aumentar o número de serviços públicos de assistência e acolhimento para mulheres em situação de violência, para possibilitar que as vítimas em cidades pequenas e médias também tenham acesso a atendimento em serviços especializados, como Delegacias da Mulher e unidades da Casa da Mulher Brasileira.

Ampla aprovação para campanhas de conscientização e debates nas escolas

É também muito ampla a aprovação para a realização de campanhas para estimular as denúncias (97%) e para sensibilizar homens e mulheres contra a violência doméstica (96%), assim como para a promoção de debates em escolas para educar meninos e meninas para relações de igualdade e respeito (96%).

Em relação aos agressores, 95% consideram que é preciso aumentar as penas para o crime de violência doméstica e 89%, que se deve obrigar os homens denunciados a frequentar programas de reeducação para que não voltem a praticar esse tipo de violência.

Veja a seguir outros destaques da pesquisa Redes de apoio e saídas institucionais para mulheres em situação de violência doméstica (Instituto Patrícia Galvão/Ipec):

Entre os que conhecem pessoalmente uma mulher que sofreu agressão, a principal reação de 63% das mulheres e 50% dos homens foi a de falar com a vítima. Conversar com o agressor foi mais frequente entre os homens (24%) do que entre as mulheres (13%).

Denunciar à polícia ou terminar a relação foram os principais conselhos para as vítimas

Mais mulheres (55%) do que homens (47%) aconselharam as vítimas de agressão a denunciarem à polícia. Elas também superam os homens na indicação de ajuda especializada com psicólogos, assistentes sociais, centros de referência ou advogados. Em contrapartida, é mais acentuada entre os homens a recomendação para que a mulher agredida fizesse as pazes com o parceiro.

Mudança de comportamento e término da relação foram os principais conselhos aos agressores

A recomendação para que o homem buscasse ajuda especializada aparece em terceiro lugar (34%), enquanto 13% aconselharam que o agressor pedisse desculpas e fizesse as pazes com a mulher.

Delegacia e amigos/familiares foram as principais ajudas buscadas pelas mulheres agredidas

Entre os que conhecem pessoalmente uma mulher que sofreu violência doméstica, 45% acreditam que elas procuraram algum tipo de ajuda e apontaram que a mulher agredida procurou uma Delegacia de Polícia (42%) ou uma Delegacia da Mulher (39%), enquanto para 31% essa mulher buscou o apoio de amigos e familiares.

66% consideram a Delegacia da Mulher como primeiro recurso que a vítima de violência doméstica deve buscar

36% das mulheres entrevistadas já sofreram algum tipo de violência doméstica

Violência psicológica (27%) e violência física (17%) são as mais apontadas. Mulheres negras relatam mais do que as brancas haverem sofrido violência física e violência psicológica. E uma em cada dez mulheres entrevistadas declarou já ter sofrido violência sexual praticada pelo parceiro (atual ou ex).

Quase a totalidade das mulheres vítimas de violência doméstica tomou alguma atitude, sendo a principal reação terminar o relacionamento (55%)

Sofrer e praticar violência doméstica não são equivalentes

A maioria absoluta dos homens (94%) afirma não ter praticado nenhum tipo de violência contra sua esposa, companheira ou namorada (atual ou ex).

Embora o número de homens (27%) que declaram já ter praticado alguma forma de violência contra a parceira seja muito pequeno para uma análise estatística, é possível fazer uma análise indicativa a partir das respostas sobre as reações da mulher após ter sido agredida. A maioria dos homens que admitem alguma forma de violência contra a parceira, esposa, companheira ou namorada afirma ter resolvido a situação na conversa (66%); 30% afirmaram que elas revidaram a agressão e 17%, que elas terminaram o relacionamento.

Percepções sobre violência doméstica: apoio e encaminhamento

Para a maioria da população (53%), as mulheres não conseguem sair de uma relação violenta por dependerem financeiramente do agressor; 43% acreditam que é em razão do medo de serem mortas e 42% têm  medo de perder a guarda dos filhos.

O acolhimento da família e de amigos é o apoio mais considerado para que essas mulheres saiam de uma relação violenta

Parcela significativa menciona ainda o apoio do Estado, seja da polícia ou justiça, para se protegerem do agressor, ou de assistência social e psicológica.

 

Percepções sobre apoio do Estado às vítimas e responsabilização dos agressores

Ampla maioria (93%) acredita que as pessoas devem dar apoio/denunciar ao perceberem que uma mulher está sendo ameaçada. Para 90%, se houvesse apoio do Estado as mulheres em situação de violência doméstica se sentiriam mais seguras para denunciar e sair da relação violenta e, para 85%, os homens que praticam violência doméstica sabem que isso é um crime, mas acreditam que não serão punidos.

Para 72% dos entrevistados, muitos policiais não acreditam na seriedade das denúncias de violência doméstica. Para 69%, a Justiça trata esse tipo de violência como um assunto pouco importante

A percepção de que muitos policiais não acreditam na seriedade das denúncias de violência doméstica é mais acentuada entre as mulheres (78%), enquanto a discordância da afirmação é maior entre os homens (26%).

A pesquisa mostra que a população brasileira reconhece a importância do apoio de amigos e familiares e o papel das políticas públicas – seja da polícia ou justiça para se protegerem do agressor ou de assistência social e psicológica para se sentirem mais seguras para denunciar e reconstruir suas vidas.

Entre as mulheres que pessoalmente sofreram alguma forma de violência doméstica, o empoderamento econômico e o fortalecimento da autoestima são fatores considerados importantes para que consigam sair da relação violenta.

A opinião unânime dos brasileiros – e é importante destacar que não há diferença significativa entre as respostas das mulheres e homens entrevistados – é de que é preciso aumentar o número e a qualidade dos serviços de atendimento às mulheres.
Jacira Melo, diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão

Acesse na íntegra o relatório da pesquisa Redes de apoio e saídas institucionais para mulheres em situação de violência doméstica no Brasil (Instituto Patrícia Galvão/Ipec realizada com apoio do Instituto Beja, novembro/2022).

Sobre a pesquisa

A pesquisa Redes de apoio e saídas institucionais para mulheres em situação de violência doméstica no Brasil foi realizada pelo Ipec e Instituto Patrícia Galvão, com apoio do Instituto Beja. Foram entrevistadas por telefone 1.200 pessoas (800 mulheres e 400 homens), com 18 anos ou mais, entre 14 e 24 de outubro de 2022. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Objetivo: Compreender as percepções e experiências da população brasileira com acesso a um telefone sobre violência doméstica contra a mulher, redes de apoio, canais de denúncia e os serviços e programas de atendimento às vítimas.

Especificações técnicas:

Metodologia: Entrevistas telefônicas.

Abrangência: Pesquisa realizada em todo o território nacional.

Universo: População brasileira com 18 anos ou mais com acesso a telefone fixo ou celular.

Período de campo: 14 a 24 de outubro de 2022.

Amostra: Foram realizadas 1.200 entrevistas distribuídas, sendo 800 com mulheres e 400 com homens. Trata-se de uma amostra desproporcional que ao final foi ponderada.

Margem de erro: Com nível de confiança estimado em 95%, a margem de erro máxima é de 3 (três) pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Ponderação: Por se tratar de uma amostra desproporcional ao universo estudado houve necessidade de ponderar os resultados.

Observação: As perguntas cujas somas das porcentagens não totalizam 100% são decorrentes de arredondamentos ou de múltiplas escolhas.

Diferenças entre mulheres x homens: Consideram a margem de erro do total da amostra e o intervalo de confiança e são destacadas quando existe uma diferença de ao menos 7 pontos percentuais entre os resultados desses públicos.

Contatos

Nossas Pesquisas de Opinião

Nossas Pesquisas de opinião

Ver todas
Veja mais pesquisas