Caso Robinho escancara tolerância do futebol e da sociedade com a violência sexual

Compartilhar:
image_pdfPDF

“Se o futebol é aquilo que mais inspira meninos no Brasil, qual é a responsabilidade dos clubes ao não olhar para a violência de gênero?”, questiona a socióloga Viviana Santiago.

(HuffPost | 21/10/2020 | Por Andréa Martinelli)

As transcrições dos diálogos de Robinho, que tem um status de ídolo no futebol mundial, sua condenação por estupro na Itália, e as declarações posteriores dele sobre as acusações, em que se diz inocente e afirma que “infelizmente, existe esse movimento feminista”, mostram a existência de uma tolerância da sociedade ― e do esporte ― com crimes contra as mulheres.

Este é o entendimento de especialistas da Sociologia e do Direito ouvidas pelo HuffPost Brasil. Segundo Viviana Santiago, socióloga e especialista em educação pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), o caso Robinho, um dos mais recentes envolvendo violência de gênero e futebol, “mostra que vivemos em uma sociedade que opera na cultura do estupro”.

Acesse a matéria completa no site de origem.

Compartilhar: