Paraná será sede de seminário sobre políticas para mulheres

Compartilhar:
image_pdfPDF

O Paraná sediará o primeiro seminário do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul) para debater políticas para as mulheres. A proposta foi apresentada pela Secretaria da Família e Desenvolvimento Social do Paraná e aprovada durante a reunião da Comissão Permanente de Políticas para Mulheres do Codesul, realizada nesta quarta-feira (31), no Palácio Iguaçu, em Curitiba. O encontro reuniu secretários estaduais e técnicos dos estados da Região Sul do País e do Mato Grosso do Sul.

(Bem Paraná, 31/08/2016 – acesse no site de origem)

Para a secretária da Família e Desenvolvimento Social do Paraná, Fernanda Richa, que é coordenadora da comissão e comandou a reunião, o seminário é uma oportunidade de aprofundar a discussão dos principais temas relacionados à política da mulher.

“Essa união de esforços, compartilhando informações e experiências bem-sucedidas, pode resultar em ações articuladas que garantam o fortalecimento das políticas públicas para as mulheres nos estados do Codesul e, quem sabe, se estender para todo o País”, disse Fernanda.

INTEGRAÇÃO – De acordo com a proposta, o seminário “Políticas Públicas e a Mulher do Século XXI”, acontecerá em abril de 2017. O evento vai debater os temais mais atuais no contexto social brasileiro, dentro dos seguintes eixos: impacto da participação das mulheres nas políticas públicas; empoderamento da mulher e igualdade de gênero; intersetorialidade das políticas públicas para a mulher e o enfrentamento à violência contra a mulher.

O público-alvo são os gestores municipais de políticas públicas para mulheres, gestores de políticas setoriais estaduais dos estados membros do Codesul, profissionais de políticas relacionadas e convidados.

APOIO – O coordenador residente do Sistema Organização das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic, que também participou da reunião, a ONU pode apoiar os estados que integram o Codesul na criação e avaliação de programas e políticas públicas. “A ONU tem experiência para auxiliar os estados na implantação de programas de inclusão social, apoio a empresas, geração de emprego e renda, acesso a bancos mundiais”, explicou.

Segundo Fabiancic, a ONU mantém objetivos que buscam mudar a vida das pessoas e transformar o mundo em um lugar mais seguro, sustentável e desenvolvido. “São objetivos que mostram onde queremos chegar e como fazer para alcançá-los.”

EXPERIÊNCIAS – Durante a reunião, os representantes estaduais apresentaram ao grupo as experiências bem-sucedidas na área de proteção de garantia de direitos da mulher. Pelo Paraná, os destaques foram os programas Família Paranaense, principal ação do Governo do Estado para reduzir a pobreza e atender as famílias mais carentes, e o Mãe Paranaense, que oferece atendimento e atenção materno-infantil.

O Mato Grosso do Sul apresentou resultados da campanha Agosto Lilás, que desenvolveu ações de enfrentamento à violência contra mulheres, para divulgar a Lei Maria da Penha e chamar a atenção da sociedade para o fenômeno da violência de gênero.

O Rio Grande do Sul falou das políticas voltadas para as mulheres e projetos sociais desenvolvidas pelo estado. Entre eles, o programa Mulher: Vida e Direitos que propõem o fortalecimento e a consolidação das ações e dos serviços voltados ao enfrentamento da violência.

Santa Catarina destacou o trabalho que vem desenvolvendo para a consolidação da política da mulher, com a realização de conferências municipais e estadual, além de campanhas de conscientização.

Compartilhar: