11/04/2010 – Uma nova ditadura do sexo, por Albertina Duarte Takiuti

1308
0
Compartilhar:
image_pdfPDF

“Classificada por meio de pulseiras coloridas, mais uma vez a mulher é colocada em desvantagem diante dos homens”.

pulseiras_aeA fim de contribuir para o debate em torno da polêmica sobre o uso e posterior proibição das pulseiras coloridas, também chamadas de “pulseiras do sexo”, a ginecologista e obstetra Albertina Duarte Takiuti, coordenadora do programa de saúde do adolescente da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, assina artigo publico no caderno Aliás, suplemento da edição de domingo do jornal O Estado de S.Paulo.

No artigo a médica escreve:

“No campo do sexo, a curiosidade aguçada e os hormônios em ebulição, aliados às aflições e inseguranças inerentes a essa fase, compõem uma fórmula complexa que pode gerar os mais diversos tipos de comportamento, inclusive os de risco. A necessidade de aceitação e o medo de não agradar são fatoresdeterminantesparaquealgumasdessas adolescentes sejam influenciadas pelo meio e utilizem pulseiras, verdadeiras algemas, querepresentamumcarimbofacilmente identificável pelo sexo oposto.”

“Trata-se da nova ditadura do sexo, uma violência traduzida pela codificação da mulher por meio de um adereço. E mais uma vez a mulher fica em posição vulnerável frente ao triunfo do machismo. Se hoje o sexo surge cada vez mais cedo, a obrigatoriedade da relação sexual coloca novamente a mulher em desvantagem diante dos homens.”

“As meninas que possuem uma imagem negativa de si mesmas, com dificuldade de autoaceitação, com as angústias comuns à faixa etária, estão mais propensas a adotar comportamentos arriscados. Se a pulseira é um código, as consequências de seu uso podem deixar marcas indeléveis no corpo e na alma: gravidez indesejada, doenças sexualmente transmissíveis, traumas por abusos sexuais.”

“Proibir a utilização das tais pulseiras parece uma solução rasa. Na esfera pública, o caminho passa pelo aprofundamento de políticas nas áreas de educação, assistência social e saúde, que deem poder de voz às adolescentes e trabalhem suas emoções.”

“Em casa ou na escola, tudo o que as adolescentes não precisam é se sentirem oprimidas. Estabelecer regras e impor certos limites é fundamental, mas elas necessitam igualmente de carinho e, principalmente, de espaço para falar o que sentem. É dessa forma que as pulseiras voltarão a significar apenas um adorno, em vez de um carimbo de mulher-objeto.”

Acesse a íntegra do artigo em pdf: Uma nova ditadura do sexo, por Albertina Duarte Takiuti (O Estado de S. Paulo – 11/04/2010)

Saiba mais sobre a polêmica:
Proibição da ‘pulseira do sexo’ gera polêmica (Portal G1 – 04/04/2010)
Pulseira é desculpa para crime, diz psicóloga / Polícia do AM pede proibição do uso de acessório (Folha de S.Paulo – 06/04/2010)

Leia também:
16/04/2010 – De que adianta proibir as pulseiras do sexo?

11/04/2010 – Jovens se tornam presas fáceis com acessórios, por Carmita Abdo

Compartilhar: