Fiocruz lança aplicativo para mapear áreas mais arriscadas para comunidade LGBTI

Compartilhar:
image_pdfPDF

App de celular Dandarah compila registros de agressão; botão de pânico avisa contatos sobre situação de risco

(O Globo, 06/12/2019 – acesse no site de origem)

SÃO PAULO — A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) lançou  um aplicativo de celular para mapear áreas de risco para a comunidade LGBTI (gays, lésbicas, bissexuais e transexuais ) e monitorar casos de agressão .

O aplicativo, que já está disponível em versão preliminar para celulares Android, foi batizado de Dandarah, em homenagem à travesti Dandara Ketlyn, assassinada em 2017 no Ceará.

— Vamos geolocalizar locais seguros para essas pessoas, e o cadastro desses ambientes será feito pelos próprios usuários — explica a pesquisadora Angélica Baptista, uma das criadoras do programa.

Dandarah foi projetado em parceria com a Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais), que já realiza um trabalho de mapeamento de casos de assassinatos como crimes de ódio a essa comunidade em todos os estados do Brasil.

Os dados do aplicativo, porém, vão abranger casos de agressão de todos os tipos, em todas as categorias da comunidade LGBTI. Também deu suporte ao projeto a ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos).

Segundo Angélica, o aplicativo teve suas funcionalidades desenhadas com base em entrevistas com integrantes da comunidade LGBTI e em pesquisas sobre o perfil dos casos de agressão.

Após baixar o app e criar um perfil de login, o usuário poderá consultar o mapa do Dandarah. Uma ferramenta permitirá ao próprio usuário cadastrar uma localidade como segura ou arriscadas.

— Um outro recurso do app é um botão de pânico, que envia uma mensagem de emergência a cinco contatos escolhidos pelo usuário ao ser acionado — conta Angélica. — Na mensagem que vai para essa pessoa de confiança, estão telefones da polícia e dos bombeiros, estimulando que ela tome uma atitude.

Saúde digital

O aplicativo foi desenvolvido dentro do Resistência Arco-Íris, um projeto de pesquisa criado para cuidar da “saúde digital” da comunidade LGBTI. Segundo Angélica, o programa nasceu em parte da necessidade de entender a dinâmica da violência contra esse grupo no Brasil. Na ausência de medidas, como a tipificação do crime de homofobia ou transfobia, ataques a gays, lésbicas e transexuais, é difícil mapeá-los com uso de boletins de ocorrência.

A ideia da pesquisadora, à medida que o app entre em funcionamento e cresça sua base de usuários, é criar interfaces com dispositivos de IoT (internet das coisas) para ampliar sua funcionalidade. O botão de pânico, por exemplo, poderia funcionar por meio de um chaveiro ou um anel bluetooth, tornando mais discreto seu acionamento.

— Trazemos neste projeto a participação de pesquisadoras oriundas dos movimentos sociais, e que aplicaram testes do aplicativo em algumas cidades brasileiras — conta Bruna Benevides, secretária de articulação política da Antra e coautora do aplicativo. As cidades que passaram por testes com 130 pessoas foram Aracaju (SE), Uberlândia (MG), Brasília (DF), Belém (PA), Niterói (RJ), Salvador (BA), Francisco Morato (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

O lançamento da versão definitiva do aplicativo está marcado para dia 18, quando o programa deve ter também uma versão para iPhone/iPad.

Por Rafael Garcia

Compartilhar: